Eu sofria de vitimismo e não sabia

Demorei 30 anos para enxergar minha vida, minhas ações e consequências. Aonde estava esse tempo todo? Desviando milhares de vezes da verdade e me fazendo de vítima.

“O vitimismo baixa sua energia e te desconecta do seu ser.”

Apesar de ser libriana – signo que tende a ser empático com facilidade – e jornalista – profissão que, na maioria das vezes, tem como objetivo escancarar as verdades para o povo – não pratiquei por diversas vezes esse sentimento. Se senti foi por 5 minutos e depois passou. Sim, estou exagerando, ajudei, senti e trabalhei pelos outros, mas minha péssima memória deixou guardado ali no cantinho, situações emblemáticas em que fui egoísta. A caixinha do: uma hora ela vai precisar processar isso aqui e vai ser essencial para seu amadurecimento e mais transformações. E BOOM! It`s time!

E sabe como e quando foi que essa caixinha foi iluminada e vista? Meses após me tornar mãe.

“A maternidade é a maior das transformações. Um filho vem para nos tornar um ser humano melhor. O amor é a resposta.”

Os insights vieram em momentos meus e da minha filha, na hora da amamentação, na hora de fazê-la dormir, durante os primeiros meses de vida daquele serzinho que necessita 100% da gente. Muito tempo para pensar, para revisitar essas questões inacabadas. A sensação que tive é que estava ali me vendo pelo lado de fora da situação. Oh man! Foi amedrontador, vergonhoso e dolorido, mas gratificante em me enxergar de verdade, em saber que não errarei mais, pelo menos ali. 😉 Uma das primeiras vezes na vida que senti o início de uma transformação real em mim.

Início sim, porque não pense vocês que agora está tudo certo. Após enxergar, ainda tem a fase do se perdoar, pedir perdão e ser perdoada. Praticar o famoso ho’oponopono.

“Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato!”

E analisar, entender por que me deixei em primeiro lugar em situações que nem disso precisava, em que parte da minha vida eu desaprendi esse valor ou nunca me ensinaram? Enquanto ainda analiso todas essas questões, uma coisa sei, o vitimismo não faz mais parte do meu vocabulário. Sou e sempre serei responsável pelas minhas perdas, tristezas, conquistas e felicidade. E nunca me senti tão aliviada por chegar a essa conclusão. Que seja a primeira de muitas transformações que virão. Graças! Porque se queremos um mundo melhor, temos, somos obrigados a começar por nós.

Obrigada, trintão!

Obrigada, vida!

Obrigada, filha!

Gratidão eterna aos aprendizados!

<3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *